Cara Alma,

há apenas um caminho, mas muitos os meios, o aconselhável é usar os próprios pés, e evitar o que faça correr de forma a não ver o que há de belo em aprender a escolher com cada passo dado na terra.

Há um pé direito e outro esquerdo, um é feito de água, um é feito de fogo, e possuímos ambos em verdade verdadeira. Quando um avança, o outro aparentemente retrocede. A inconformidade da vista revela que só o coração sabe que, ao se distanciarem no movimento, ambos os pés, um ao outro, se carregam. Não há porque os dois andarem colados, isso seria uma quimera, mas a união verdadeira está em caminharem reto.

Há pés ainda como os de Curupira, virados para trás, mas cujo corpo segue em frente, eles enganam apenas aos que se apegam às aparências, e cuidam de preservar o que é deixado para trás como conservada essência. Há pés também que para frente se voltam e têm pressa, criam asas e voam, não porque não gostem de pisar no mesmo chão que outros, mas porque só voando alto é que se pode cair e ir até o inferno, resgatando assim espíritos mortos e levando notícias deles aos céus.

Tudo tem seu lugar e propósito nos antigos mitos e lendas, mas o Caminho que esses tantos fazem é um só:
        o de Deus na Terra.

Escuta, Amada Alma, fórmulas são diferentes de formas, sendo aquelas passageiras e estas, eternas, os pés, se nos envergonham, podem e devem ser arrancados fora, mas o moldar de pés novos, esse, tal qual Verbo, é eterno.

Se o meio é meio de água e fogo, ar e terra são o fim e o começo.

Veja, Amada Alma, nós nunca tocamos a pele um do outro, porque o toque só é possível através do sopro, do respiro, do ar, do vento… assim como ele só ganha sentido e manifestação, se há a apropriada terra, matéria, sustento. Sim, quando nós nos tocamos não são duas matérias em encontro, mas o próprio espírito que se move para molde um do outro, água e fogo são o meio, a ferramenta para se chegar até ele, aquele que está presente.

O ar comprimido entre uma terra e outra gera o Verbo de ligação que une as mãos e faz os pés e pernas deixarem de ser coxos. Só ao, por vontade maior, unirmos os passos em retidão, é que se poderá dizer que houve união da água e fogo. Há dois seres que lograram isso juntos, Pedro e João, a cabeça e o coração por intervenção de Jesus Cristo.

Lembre, Alma minha, de como esses dois estavam em profunda desunião, um era Hiram Abiff e outro Salomão, seu irmão.

Assim como elementos opostos unidos por um único Deus e um único propósito, ainda haveremos de unir o fogo com a terra e a água com o ar, tal qual João foi dado a Maria e Pedro foi levado para ser dado ao Pai, por seu único e verdadeiro Filho, Jesus Cristo, que antes não havia encarnado, ainda que tudo esteja, agora e sempre, sob seu comando e trabalho.

Da mesma maneira é preciso aprender a doar o volitivo, o fogo do espírito, para Mãe de Deus, Maria, a virginal matéria, e também levar a passividade, a água da carne, para nosso Deus Pai. É preciso que um permaneça e o outro se eleve, como Jesus Cristo o fez e o faz. E assim, a água seja sublimada e o sangue, a terra penetre, seguindo os passos na cruz, tal qual nosso Mestre.

Amada Alma minha, só é possível fazer um jarro, um cântaro, uma taça, passando a terra dela no calor e no frio, aquilo que é morno não modela, não se torna Verbo, sendo cuspido. Por isso o Corpo Denso e o Espírito Divino são as mais importantes e superiores uniões de nossa constituição celeste e terrena, ligada ao Pai, porque é nestes dois que é possível ver tudo isso já acontecendo, trabalhando sem cessar, ainda que o trabalho seja descanso em termos da certeza de que, sim, tudo está sendo conservado e progredindo ao mesmo tempo, porque Deus é perfeito e sempre está a nos fazer progredir e a nos ordenar.

E assim como um trabalhador pode ser reconhecido ao soar do martelo como de seu líder, hoje, o verdadeiro servidor é aquele que aprende a soar seu néctar no ar, tal qual o perfume das rosas silenciosamente atrai as abelhas, tornar Maria a Virgem volitiva, como quem faz as flores, por vontade própria, exalarem sua essência.

Eu as exorto, minhas caridosas Almas, impregnem o mundo com o que possuem de mais caro e belo, tal qual nardo passado amavelmente no Mestre. Banhemos o único Mestre de nós todos, Aquele que nos une tal qual poderoso centro, porque se Ele uniu João e Pedro, João que era a Mente e Pedro, que era o Coração, e fez deles partes de Si mesmo a tal ponto que João escutasse e ouvisse Seu Coração, que era Pedro, transmutando-os e transformando-os um no outro, para que o fogo de um derretesse a pedra de gelo do outro, como quem, com a mente, como quem, com a mente, acessa o cardíaco inconsciente… imaginem o que nosso Mestre fará quando retornar à presença de todos!

Se Deus deu o fogo à terra e fez dele o Coração de Sua Igreja, e se Deus levou a água ao ar e fez dela a cabeça de sua Igreja, invertendo os polos do que até então nos fazia errar e tropeçar, imaginem e sintam o que mais nos espera!

Amadas Almas minhas, se quereis ir ao Gólgota, ouvis a Pedro. Tende reverência perante esse irmão nosso, porque ele é o servo de todos, ele é a carne a ser ressurreta: Pedro, símbolo da hierarquia de Peixes, símbolo da humanidade, que é a primeira criatura a se sentar ao ser coroada e se tornar coroação do próprio Deus, coroação de nosso Mestre, do Verbo do nosso Universo, porque nós somos o que o nomeiam Rei.

A nomeação é um dom dado à nossa hierarquia, por isso, sim, o nascimento de Cristo Jesus é a manifestação de nosso único Deus.

E irmãos de João, filhos dados a Pedro, é preciso que vocês estudem, é preciso que vocês se tornem também cabeças, como ele. Aprendam a acreditar não por inocência e ignorância, mas pela lógica até mesmo científica que testificará cada vez mais a Deus.

Uni-vos, Almas Divinas, para que sejais como João e Pedro a dar testemunho eterno de que, ao unir-vos está Deus, como o ar que preenche de sentido a minha mãe quando pega na tua, assim como enche de suspiro teu corpo quando meu coração toca o teu.

Acordemos, meus Amigos, e façamos um acordo: não importa que três vezes caiamos ou neguemos a Deus, vamos continuar caminhando, vamos continuar pé ante pé rumo aos céus.

Eu vos garanto: o Paraíso existe! E é magnífico!

Voltemos ao nosso Jardim dos Campos Elísios!

Voltemos ao Éden Vivos! Guiados pelo nosso único Mestre, Rei e Deus!

Não há nada mais urgente e importante do que tudo isso, e o combate não é nem será fácil, ainda que tudo se dê de forma muito simples: ame a Deus sobre todas as coisas, ame ao próximo como a ti mesmo, pregai o evangelho por onde passar e caminhar e curai todos os enfermos.

Meus Amados-Amigos-Irmãos, Almas Divinas, não importa se você foi dado a Pedro ou a João, eu te amo profundamente! Porque em Cristo Jesus todos nós somos irmãos!

Ele É o nosso único Rei, único Mestre e único Deus!

O único que pode verdadeiramente fazer qualquer união. Ele é o nosso Verbo de ligação, o propósito do nosso Ser.

Que Ele vos guie e vos guarde a todos!

Que a paz do Senhor seja convosco, agora e sempre!

Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.