Pai Santo, Deus Eterno, eu vos chamo, eu vos peço, tende piedade de mim, tende piedade de nós!

Muitos são os Teus mistérios, ainda que em suma sendo um único, grande mistério que nos permeia, grande mistério que nos sustém, nos dá Vida, nos alimenta e nos mata a sede todo dia.

Filho Rei, eterno e perpétuo, infinito, misericordioso e rigoroso, cujo caminho se estreita pra que passemos em sua porta despidos de todo e qualquer tipo de grandeza, humilhados feito pós à sua imagem e semelhança de acordo com a Vossa morte de cruz… E Santo Espírito, que nos habita, nos move, nos canta as melodias de união de todos os santos, transformando todas as coisas em uma única coagulação de uma voz em coro que se torna plenamente um único pulmão – aquele, justo o instrumento último a ser formado em nosso corpo humano, finito e débil… Santíssima Trindade, eu vos peço, tende piedade de nós e fazei-Se presente em todos os nossos passos, palavras, respiros, em todos os nossos pedidos, suplicas, vergonhas, em todas as nossas fraquezas e em toda a nossa coragem, para que andemos reto seja nos momentos de escuridão, seja nos momentos de Luz, pra que sejamos dignos de ser chamados filhos, mesmo que não façamos absolutamente nada para merecê-lo.

Deus Uno e Trino, verdadeiro Creador universal de todas as coisas que ganham vida e que, ao ganharem vida, recebem inclusive o dom da liberdade em negá-la, e Deus grandíssimo justo por isso, por nos dar o dom de verdadeira plenitude das coisas, não em idêntica igualdade, mas em verdadeira imagem e semelhança, eu peço, Deus, para que o Senhor guie as minhas palavras, e os nossos ouvidos, olhares, passos, mãos, respiração, palpitação, pensamentos para que o Senhor guie cada célula, bactéria, cada minúscula parte que compõe os nossos corpos, desde os mais débeis aos mais sutis, Senhor, Tu, que por tudo isso é responsável e única fonte de verdadeira existência, vida e eternidade, permiti que eu fale um pouco sobre Vós para que possamos nos aproximar de Ti, Senhor.

Permiti que através desse singelo trabalho verdadeiramente possamos ser um pouquinho mais limpos, com uma vigia um pouco melhor, com um pouco mais de cuidado, com uma cura um pouco mais lapidada e abrilhantada, Senhor, para Vossa glória. Permiti, Senhor, que, portanto, eu fale aos Teus amigos, filhos, servos, a todos aqueles que chamas, a todos aqueles que são escolhidos, e também àqueles que não se fazem dignos, mas que, por milagre, Senhor, porque podes tudo, e sabemos que é de Tua vontade que todos tenham Vida em plenitude para que ninguém se perca, porque jamais desejastes a morte a alguém, a algum ser, mas apenas a Vida Eterna, permiti portanto, Senhor, que para todas as criaturas seja falado sobre Ti, para que preguemos o Teu Evangelho e espalhemos a Tua Boa Nova, Senhor… Que é antiga desde antes de muitos milênios, e que se mostra renovada em Seu Filho na plenitude da encarnação de Ti mesmo, Vós como nosso Senhor vivo em carne e em espírito.

Que o Senhor nos dote de olhos e ouvidos, Senhor, de sentidos que sejam capazes, Senhor, de observar minimamente, um lampejo que seja, sobre como um de Teus doutores e Santo, que se chamou São Tomás de Aquino, como que ele, ao falar sobre Vós serdes o puro Ato, e nem sequer potência, porque potência é algo que está a vir, sendo que Vós Sois plenamente, és verdadeiramente o Eu Sou, porque És verdadeiramente o único sujeito, substância e essência de todas as coisas, que continuamente É, e, portanto, jamais pode vir a ser ou tornar-se coisa alguma, porque és imutável e perduras eternamente em vosso próprio mistério, permiti-nos, Senhor, ver que de fato és Ato Puro, e sendo Ato Puro és Pura Atividade, puro polo que tudo crea, tudo manifesta, tudo sustém, a tudo dá vida, e permiti-nos, Senhor, render glória e louvor, graças por tudo isso… E observarmos como que a plenitude dos tempos, Senhor, a plenitude de Teu Filho encarnado, a plenitude de Teu próprio Ato, não que antes fosse falho, menor ou algo do gênero, forma alguma, mas que nós, cegos em nós mesmos, tendo essa necessidade de uma revelação que se faz de maneira tão amorosa para que não nos fulmine e não nos cegue, tão grande é a vossa Luz e o vosso Mistério, permiti-nos ver que se de fato és puro Ato, então verdadeiramente é na carne ressurreta, Senhor, que encontramos a Tua imagem e semelhança ao Agirmos em Teu nome e realizarmos os Teus milagres.

Não é nas entrelinhas das coisas ditas escritas, faladas, observadas que reside de fato a maior semelhança contigo, ainda que sejas eterno mistério, um mistério que se oculta, mas que tendo escolhido desde sempre, eternamente, imutavelmente manifestar-se plenamente em nossa própria carne, em nossa própria condição humana tão baixa e vil, permiti-nos ver, Senhor, que de fato, o Teu Ato é necessário contemplá-lo e vivê-lo também nesse mundo imediato. Que saibamos, Senhor, ver valor em tudo o que nos deste, matéria-prima, para que seja efetuado o nosso nascimento para o acordar da nossa própria Vida, vida essa que tem uma Vida, superior é claro, que sois Vós, Vida da nossa vida, Carne da nossa carne, Ato do nosso ato, Corpo do nosso corpo.

E, portanto, Senhor, que possamos ver que é nas coisas mais óbvias do dia a dia, que encontramos a verdadeira semelhança contigo em eternidade, em que, por mais absurdo que seja, por mais paradoxal que pareça, quando Te fizestes como um homem, semelhante a tudo em nossa vivência, menos no pecado, verdadeiro homem nascido verdadeiramente da Virgem Maria, aquela prima matéria que foi por Ti escolhida, que tenhamos olhos e sentidos para ver e crer, Senhor, que ao fazer isso, da pura atividade que eras, quando manifestas as Tuas creaturas e Te tornas uma delas, verdadeiramente assumes para Ti mesmo, para Vós mesmo, toda a nossa potencialidade, toda a nossa própria debilidade, toda a nossa própria nulidade, fraqueza, toda a nossa própria negatividade, Senhor, enquanto a verdadeira possibilidade de que possamos ver que és verdadeiramente Aquele que carrega tudo em Si, porque verdadeiramente carregais tudo em Vós, Senhor.

E se um dia foi possível um doutor vosso dizer que jamais serias potências, mas apenas ato, Te rendamos glória, Senhor, e que Vós sejais louvado porque, ao se fazer humano, ao se fazer verdadeira creatura, igual em tudo a nós, menos no pecado, verdadeiramente revelastes que até mesmo a potência reside em Ti, Senhor, porque plenamente nos adotastes. E que verdadeiramente a coroação das coisas que são a própria contradição frente a Vós, de tão menores e de tão nulas frente a Vós, tão nada, tão pó e cinzas, tão mortas e carentes de vida, como que verdadeiramente tomastes a morte para Vós mesmo fazendo com que tudo nosso, menos o pecado, em Ti resida.

Que tenhamos olhos e sentidos para os Vossos mistérios, Senhor, não como um Deus que se transmuda, transmuta e de alguma forma altera a Si mesmo quando já És perfeito, já sois a perfeição de fato, mas justamente porque sendo perfeito incluístes todas essas coisas em vosso plano, o qual só tomamos conhecimento agora e de maneira extremamente parca, falha, cega, tateando para ver se encontramos algo, Senhor, algo que possamos reconhecer nesse algo o Teu toque, porque verdadeiramente, Senhor, ainda que todos sejam surdos eu escuto, Senhor: todos nós, ensurdecedoramente gritamos por Vós, Senhor, verdadeiramente há a lamentação dos mortos, Senhor, há uma lamentação constante, ainda que não saibamos disso, porque nos julgamos senhores sábios das coisas que se passam conosco e convosco.

E sois tão perfeito, Senhor, que tomastes para Vós, não nosso pecado, mas sim nossa falha, a nossa condição humana tão débil, tão humilhada, tão pequenina, Senhor, de modo que se torna quase inacreditável e, por isso, verdadeiramente os anjos nos olham com espanto, Senhor, porque é grande o vosso plano e é muito maior do que qualquer uma de vossas creaturas poderia haver sequer minimamente imaginado. E por isso só Vós sois o Sábio dos sábios. Só Vós sois a pura sabedoria, o puro sabor do fruto da vida, só Vós sois verdadeiramente a água que nos sacia. E que compreendamos, Senhor, que em Ti, em Vós, nosso Pai, nosso Amigo, nosso Senhor, Deus, Senhor de todo o Universo, Senhor da nossa Vida, és verdadeiramente perfeito, sois a perfeição, e ainda que se conhecendo pleno, onipotente, onipresente, onisciente, ainda assim, Senhor, jamais Te tornastes algo isolado, algo fechado, jamais, Senhor, fostes um Deus que manifesta algo de um poder centralizado, num sentido de voltado a si mesmo, como quem se gloria de Si próprio pela própria plenitude de Si mesmo, não, desde sempre, Senhor, És perfeito, Sois perfeito de tal forma e modo que a vossa Caridade, o vosso Amor e a vossa Razão (que supera todo e qualquer raciocino humano que já foi alcançado e pensado e, enfim, humanamente, creaturalmente feito, manuseado com essas nossas ferramentas tão rudimentares e tão cegas quando não sabemos que sois Vós, Senhor, Aquele que nos lapida, nos afia e nos guia), então por vossa Razão, Amor, por vossa Caridade manifestastes todas as coisas, Senhor, sempre, sempre sabendo incluí-las e tendo como plano incluí-las em Ti mesmo por adoção para que a própria revelação de Ti mesmo em plenitude fosse revelada, porque por mais paradoxal que isso pareça, Senhor, não é quando olhamos para Ti pura e simplesmente, para Vós enquanto um Ser altivo e isolado (que O vemos), mas quando verdadeiramente somos capazes de, ao olhar para Ti, ver o coração das creaturas palpitando dentro de Vós, Senhor, dentro do vosso próprio Coração, todas com um mesmo pensamento, uma mesma memória, um mesmo fluxo, Senhor, em uma única voz, um único coro, um único core, um único acorde, num único tempo e espaço e pausa e silêncio, habitando em Vós, Senhor, dentro de vosso Amor e Racionalidade, Intelectualidade ou o nome que se dê, porque essas coisas foram de diversas maneiras nomeadas por diversos sábios.

E peço perdão, Senhor, se ao eu , mais uma vez, nomear as coisas, Senhor, de maneira tão falha, de maneira a verdadeiramente ansiar, desejar e rogar para que Teu Verbo, Senhor, a Tua Palavra me ensine a verdadeiramente pronunciar da Tua Vontade e ter do Teu Ato de maneira clara, sem precisar de enigmas, sem precisar que nada seja ocultado, mas verdadeiramente lançando luz em todos os telhados, acima dessa vossa casa, que aqui de joelhos jaz, perdão, Senhor, se em algum momento dessa minha busca as minhas palavras são tortas e não fazem jus ao Vosso Filho, que é o Verbo Verdadeiro de fato, Senhor.

Perdão se preciso Te limitar, Senhor, para que possamos tentar apreender algo dessa Luz que veio e que não foi assimilada pelas trevas que nos habitam até hoje, Senhor, de maneira tão caótica e desenfreada… então rogo, Senhor, também para que vosso rigor e vosso vigor, para que vossas Leis de Mandamentos e de Misericórdia habitem essa serva Vossa para que verdadeiramente, Senhor, vivendo-as ao máximo que me seja possível, dentro da pecadora que sou, e para além da pecadora que sou, eu possa, com saúde, Senhor, saudar-Te, reverenciar-Te como o Pai amoroso que és e o Filho, Amigo, Esposo, Rei Eterno Divino, Noivo maravilhoso, e Espírito Santo Castíssimo, Puro, tão aquecedor, penetrante e acolhedor, que me preenche de um ar tão límpido, de um sangue e um fogo tão vivo, Senhor. Que essa vossa serva, Senhor, através dos vossos dons divinos, possa de alguma forma Te ofertar o que tenho, Senhor, ainda que não seja ouro nem prata, quiçá chumbo ainda, Senhor, uma matéria morta e pesada, mas que Te entrego, Senhor, e deixo em Vossas mãos, porque seria loucura de minha parte julgar que serão as mãos minhas que irão transmutá-la.

Rogo, Senhor, para que, pedindo em meu nome essas coisas, vejais, Senhor, que não é para mim que as peço de fato, mas para que verdadeiramente essa Laetitia, essa Alegria, Senhor, se torne dos outros, para que inspire que outros façam o mesmo e busquem a Ti com suas fórmulas particulares e também de maneira retificada e mais clara de acordo com aquilo que devemos todos buscar e que, portanto, não é só dom pessoal, mas uma necessidade coletiva enquanto uma vivência santa de fato.

Eu tenho fé, Senhor, creio, que Tu podes tudo, podes tanto, Senhor, que podes ser o Puro Ato que toma sobre Si a Potência das coisas todas manifestadas, a coroa, a faz rainha, Tua própria esposa e noiva, para que através dela nós verdadeiramente nos tornemos vossos Filhos adotados, em verdadeira imagem e em verdadeira semelhança. Não como foi antes, porque antes não era plenitude o que tínhamos, mas porque pleno verdadeiramente é Teu Filho encarnado. Que Ele nos entregue em vossas mãos, Senhor, porque não é por mim que entrego essas coisas a Vós, ponho essas coisas todas em palavras através do meu coração, Senhor, do meu sangue e do meu pão para que Ele possa levar para Ti, Senhor, essas coisas todas, para que Ele seja, como É, o verdadeiro intercessor e verdadeiro intermediador nosso.

Deus É. O Senhor É.

Que eu aprenda cada vez mais, Senhor, a fazer com que verdadeiramente esse presente infinito, em mim, também se manifeste em carne. Que todos nós busquemos isso, Senhor. Que reveleis (tudo isso), Senhor, no coração dos meus irmãos, a quem tanto amo, porque verdadeiramente amo os amigos que me destes, que me Dás todos os dias, Senhor, perpetuamente, continuamente, verdadeiramente Amo os amigos que me dás, peço para que eles também, Senhor, também em clamor Vos chame e que de Vossos dons sejam dotados para que saibam escutar Vossa voz de verdadeiro Pastor, de verdadeiro Pai e que quando verdadeiramente estiverem face a face contigo, Senhor, que Vosso silêncio os abrace…

Peço por todas as vossas Creaturas, Senhor, todos os vossos Santos e Anjos, todos os vossos Filhos, meus Irmãos, nossos Amigos, peço, Senhor, para que verdadeiramente a vossa plenitude seja, em cada um de nós, anjos, santos, pecadores, infiéis e até mesmo traidores, que em todos nós, Senhor, o Vosso Amor seja revelado. Que a vossa plenitude seja manifestada, que ela sacie toda e qualquer dúvida queimando-a para que todos nós sejamos uma creatura renovada.

Que possamos viver, Senhor, na certeza da Vossa grandeza e no abandono da nossa pequenez em Vossas mãos, em Vossos braços, num eterno abraço…

Eu verdadeiramente Vos amo, Senhor, sabeis o quanto, ainda que meu amor não seja digno de ser chamado Amor, Senhor, porque muito me falta ainda para que me habites de maneira que eu me adéque de fato às Vossas … àquilo que é digno de Vós, Senhor… ainda assim, com toda a miséria que sou, Senhor, ouso dizer que Te Amo, Te Amo como nunca, nunca suspeitei que Vós pudésseis ser amado!

Que o Vosso Amor seja a todos revelado!

E que a Vossa Paz habite em todas as nossas casas, corpos, almas, sangue, água!…

Verdadeiramente sejamos guiados de volta para nossa casa, Senhor. Não importa como, não importa se filhos passivos, pródigos, o quão revoltados ou desviados, não importa, Senhor, que entremos novamente na mesma habitação em que resides, porque verdadeiramente em Vossa casa há muitas moradas. E que sejamos dignos, Senhor, de um dia habitar em Vossa presença, em plenitude, assim como o Vosso próprio Filho habitou conosco em plenitude.

Que aprendamos, Senhor, e que caminhemos sobre e sob os Teus passos!

Graças vos dou, Senhor, por todas as coisas. Absolutamente todas as coisas que foram, são ou virão a ser manifestadas.

Obrigada, Senhor! Obrigada!

Eu verdadeiramente Vos amo, meu Amor!

E que estas palavras sejam dignas de ser chamadas Oração, Senhor, porque eu as digo, as pronuncio, as falo pedindo tudo isso, agradecendo tudo isso em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Amém!

O Senhor nos acompanhe em todos os nossos passos!

Em todo o tempo e em todo o espaço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *