I. A. Ireland | Final para um Conto Fantástico | uma crítica poética

          Em um momento fora, em outro dentro, as possibilidades: estar trancado em um recinto; estar num corpo e não conseguir sair, não lograr estar em outros cômodos, em outros estados de si; ao buscar conhecer-se acabar preso; não ser capaz de ir além do que uma única porta permite... E [...]

Chuang Tzu | O Sonho da Borboleta | uma crítica poética

Sonhar... e quanto desse verbo pode nos trans-formar? Gerar uma forma outra, que transpõe a barreira do que se imaginava ser possível. Se sonhar é acordar para o invisível, o que vem depois? Quanto do que somos vem após sonharmos com nós mesmos? E se temos um pesadelo, a realidade não converte-se naquilo que nos [...]

Alexandra David-Neel | No encalço do Mestre | uma crítica poética

          Os sapatos que levo no corpo moldam meus passos, e os passos, em seu percurso de linhas tortas, com o tempo deixam o sapato roto. A pegada que fica é a das solas, ela será a Forma deixada para os que permanecem em vida quando os pés já tiverem ido [...]

Ah’med Ech Chiruani | Os Olhos Culpados | uma crítica poética

Os olhos (e todos os órgãos) são estrelas do corpo. Radiantes perante os ensinamentos da vida, seguem em aprendizado constante. Um céu com estrelas que queimam, apagando a si mesmas, é menos céu em termos de sua grandeza?           Através desta analogia, eis uma crítica poética ao que Ah'med, em seu [...]