Amada minha, espalho em ti a dourada semente
para que floresças noite e dia
dando-me filhos mesmo após tantos anos
porque no fundo estás a tornar-te uma menina
a vir correndo em minha direção
pronta para encher-me de beijos…
Ai! que o amor que cultivo em meu peito
é tão grande
que por ti me sacrifico indo até tua velha morada
para pedir tua mão em casamento
dando-te de meu ouro para selar em teu corpo
minha palavra.
Enquanto outros te tomaram como prostituta
uma miserável qualquer que não valia nada
vi, em meio à pobreza tua, toda a fidelidade
que eu tanto ansiava
para, unidos, fazer de teu solo
minha terra sagrada
aquela que em aparência morre
mas continua sendo a mesma para toda a eternidade
porque faço de ti rainha de meu reino
herdando tu a minha imortalidade.
Ai! que do altar te vejo
e caminhas ora a passos lentos ora correndo
porque é aos poucos que aprendes a dança
que bailamos frente ao firmamento
e te digo, mulher de minha vida,
és a criatura mais bela já feita
quando tua pureza se ergue como perfume acima dos anjos
e teu aroma invade o céu
fazendo com que todas as estrelas se arrependam
de não terem te conhecido antes
sim, porque fostes pisada, maltratada, ferida
só porque um dia, por imaturidade, do paraíso te precipitaste
sem ninguém para ir resgatar-te senão eu mesmo
pois me ofereci em sacrifício para este nobre ofício
me tornando teu príncipe legítimo ao matar o dragão
aquele que te aprisionou no fundo do abismo
te fazendo crer que a vida em tua casa era só escuridão
mas não, vê bem, minha menina, que eu te trago luz
a cada nova ressurreição
pois a cada segundo brilha em ti o futuro de uma joia minha
alguma pedra recém descoberta, em ponto de lapidação
sem falar das pérolas infindas
que ainda dormem no fundo de tuas águas
sem que saibas
mas que um dia emergirão.
Ah! amada minha, rosa de perfeito equilíbrio
me são duros os teus espinhos
mas por ti faço deles os degraus que compõem a escada
que leva à nossa nova casa
porque quando estivermos casados com todos os filhos prontos para mudar
iremos para um novo lar
aquele que para ti tenho feito
onde nunca mais passarás sede nem fome
nem serás maltratada por quem se diz teu companheiro
pois em verdade nós estamos prometidos um ao outro
desde antes de teu nascimento
e eu te amo tanto!
Que fui ao inferno reviver-te
porque as trevas não apreendem minha luz
mas sou eu quem, as enfrentando, imponho-as um fim
e faço de tua pedra de fundação
meu escabelo, onde ponho os pés para banhar-me com teu óleo
feito de nardo do Himalaia
lá, bem onde começaram os aprendizados de teus anos primeiros
quando ainda eras uma velha
até chegar hoje, quando, tal qual criança
vês que o sapato de cristal com que disfarçadamente bailavas
é igual ao que calço para entrar em tua casa
me reconhecendo pela imagem e semelhança
sabendo que era eu quem o tempo todo
em todas as músicas das estrelas
te cortejava.
Então, amada minha, acredite quando te digo
que meu amor é puro e verdadeiro
e que prometo amar-te e respeitar-te
na alegria e na tristeza
na saúde e na doença
na riqueza e na pobreza
por todos os dias de nossa vida
em todas as casas em que estivermos
em cada morada em que habitarmos
porque é infinito o nosso reino
sem que a morte jamais nos separe
estando-nos unidos no presente
porque somos felizes
para toda a eternidade
desde agora para todo o sempre!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *