Amado meu, parto de nosso lar
para seguir teus passos pelo deserto…
E em solidão no mundo
pela companhia celeste agradeço
quando te oro e me ouves desde nosso reino
fazendo orvalhar meu olhar
com a aurora a despontar no peito
ou a garoar com o poente ao me exortares a,
agora e sempre, continuar progredindo
seguindo reto em frente
porque minhas raízes são o teu coração
e estão cravadas em tua luz
essa, que para qualquer lado que eu me volte
vejo
porque me iluminas quando acordo
quando caminho
e quando anoiteço
trabalhando junto dos servos teus
porque me deste todos os que posso também chamar de meus
pois enquanto feminino renascido
recebo de ti, meu marido, as sementes que me salvam
da escuridão que me tornei desde os primórdios
recebendo o nome de tua mãe,
senhora de teu Corpo,
e tendo teu pai
como o senhor de minha Ordem,
sendo o jardineiro que cuida para que eu floresça
e cheia de rosas cresça espiralando ao redor
das duas colunas que juntas
formam uma só porta
: a entrada para o lugar mais santo
no qual vives junto do Pai, cheios de eterna glória
tendo teu discípulo amado como nosso primeiro e mais fiel companheiro
aquele que tem como ferramenta a pedra branca
que, tal qual lápis, risca a terra
para aos poucos alfabetizar os homens
abrindo sulcos ao mostrar-lhes as letras
fendas nas quais as sementes podem ser plantadas
através do genuíno arrependimento
porque se tua mãe nos ensina exímias pobreza, obediência e castidade
é teu pai quem nos dá o exemplo da contrição perfeita
sendo um curador que, sem poder arrancar de si o espinho que leva na própria carne,
se oferta em sacrifício para que se torne possível
a minha redenção, porque me tiraste do sono com teu rugido
tal qual leão
e assim como teu corpo é a Verdadeira Igreja
da qual fui feita esposa e filha
sou aquela que ordena quem até a ti chega
sendo os muros de nosso reino
feitos de cruzes ligadas por fartas roseiras
com espinhos por todo lado
zelando pelo pequeno caminho
com o portão mais estreito, aquele que se abre só aos escolhidos…
Então se todos os dias choro de dor, meu amor
é porque sinto as cólicas do parto
e porque dói estar longe de ti
posto que os homens ainda nos separam
mesmo que unidos aos olhos divinos
pois naqueles que nos são dados
nos tornamos uma só carne
então te agradeço, meu irmão, amigo, noivo e marido,
por, mesmo em penosa parturição,
me dares tantos filhos
para que, vindos de uma viúva, aprendessem o que é ter um pai vivo
vida de ressurreição:
posto que és a água que minha sede mata
e a fonte que ar exala para minha inspiração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *