Ressurreto Sísifo, tu, que foste feito para trabalhar
por toda a eternidade, erguendo castelos em glória aos céus
e cuidando dos jardins que te foram dados
tu, que uma vez acordado
carrega pedras de forma incansável
subindo e descendo a íngreme verticalidade
da montanha, que como um dedo aponta
para a imensidão que a cada hora
te fornece uma pedra nova
tal qual astros que carregas nas costas
tu, que recebe tudo isso e arduamente labora
orando para que a brutalidade
ao descer, se desgaste
tornando-se um lápis filosófico
com o qual traças o destino próprio
escrevendo no chão da terra
ao subir de volta
o lirismo de um telúrico Narciso
que em carne se torna a própria roda
que faz girar todas as constelações
não porque está preso e é escravo de si mesmo
mas porque em liberdade se torna o responsável
por costurar as estrelas
e formar o manto dourado do próprio Deus que o comporta
sabendo da honra que é poder subir e descer com pedras
que com esforço rola
ressurreto Sísifo, tu, que foste feito à imagem e semelhança
daquele que trabalha de sol a sol em misericordiosa andança
caminhando sempre, sem ter onde dormir
indo aonde possa ajudar quem sua pedra não aguente
dando água aos que têm sede
e pão aos que a fome faz tremer e quase ruir
tu, que tal qual pai paciente ao filho pequeno acompanha
tu, que tal qual pai sábio ao filho crescido aconselha
tu, que tal qual pai amoroso ao filho adulto, que se julga senhor do mundo
abraça e perdoa, curando para sempre a vaidade alheia
tu, que tal qual pai adotas todas as criaturas do céu e da terra
porque és exemplo de como o último
retorna primeiro
porque humildemente faz-se servo
não só daqueles que em aparência o rodeiam
mas escravo de todo o universo
tu, amado, és também tal qual filho primogênito
aquele do qual tudo foi creado
para que se tornasse teu berço
até que chegasse o tempo
de te ensinar a como se levantar na cruz
para que finalmente descobrisses teu real leito
não da cama onde te deitas e ainda sonhas
mas do trono que, ao te receber ressurreto, é fonte tal qual rio
que corre para o oceano imenso
descobrindo assim que és apenas uma criança
que sai dos braços da mãe
e vai em direção ao pai
e sai dos braços do pai
e vai em direção à mãe
cada vez que um aponta o outro
como dois dedos dados em casamento
um chamado morte, e o outro, nascimento
sendo eles as montanhas
que sobes e desces com tuas pedras
até que tu mesmo, Sísifo ressurreto,
te tornes um diamante
que fracione a semente – Luz de teu ouro
parindo de si o próprio Universo.

One comment on “Ressurreto Sísifo

  • Renan

    Muito lindo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *